A mudança permanente é própria da vida de homens, mulheres e crianças. MAS, ÀS VEZES, EMPACAMOS… É que ainda não somos completamente inteiros: alguma parte nossa resiste à transformação gerando dor e sofrimento, apegada que está ao que não interessa mais. Isso, enquanto a parte sadia, aquela que, mais sintonizada com o fluxo evolutivo, almeja crescer, expandir a consciência e se colocar cada vez mais disponível para novas experiências.