Um homem viveu muitos anos preso em minúscula e sombria cela de presídio de segurança máxima. Ao fim da pena que a Justiça lhe impusera foi solto e devolvido ao mundo. Mas, ao experimentar o burburinho das ruas apinhadas e o clarão colorido e vivificante dos raios de sol, sentiu-se inicialmente vacilante e atônito; depois, visceralmente esmagado pela liberdade recém adquirida. Desesperado, implorou então ao antigo carcereiro que o aprisionasse de novo na previsibilidade e segurança de sua cela minúscula, sombria e familiar.

Histórias Curtíssimas, Jayme Teixeira